Sandra Tadeu homenageia Elza Paulina, Comandante Geral da GCM, em Sessão Solene de comemoração ao Dia Internacional da Mulher

A Câmara Municipal de São Paulo realizou, na última quinta-feira (12/3), uma Sessão Solene para homenagear grandes personalidades femininas que prestam serviços relevantes à população paulistana.

A cerimônia reverenciou mulheres que atuam na defesa dos direitos humanos e contribuem para a promoção de políticas públicas, com suas homenageadas indicadas pelos vereadores e lideranças dos partidos.

Presente no ato, a vereadora Sandra Tadeu prestou seu tributo a Inspetora Superintendente Elza Paulina de Souza, Comandante Geral da Guarda Civil Metropolitana, que desde oito de março de 2019 é a primeira mulher nomeada ao cargo na história da instituição.

De origem humilde, Elza, hoje com 52 anos, nasceu na área rural de Marília, interior da capital, e trabalhou como empregada doméstica antes de sua função. Em 1986, integrou a 1ª turma do corpo Feminino da Guarda Civil Metropolitana e nos últimos anos esteve à frente do programa Guardiã Maria da Penha, em combate a violência doméstica. Além disso, a Surpreendente é formada em fisioterapia e filosofia, com pós-graduação em medicina tradicional chinesa.

“Prestar uma homenagem a uma mulher tão especial como a Superintendente Elza é um honra inestimável. São mulheres como ela que quebram paradigmas na sociedade e lutam por um futuro comum melhor. Precisamos nos inspirar na garra e determinação que ela nos ensina com sua história”, comenta Sandra.

A solenidade também contou com a participação da subprocuradora-geral de Justiça de Integração e Relações Externas, Lídia Helena Ferreira da Costa dos Passos, a secretária municipal de Planejamento e Gestão, Malde Vilas Bôas, e representantes da Polícia Militar e Câmara Municipal.

Ainda em comemoração ao Mês da Mulher, a Câmara Municipal de São Paulo aprovou, no início do mês, a criação da CPI da Violência contra a Mulher, que será presidida por Sandra Tadeu. “Essa é uma discussão que deve ser constante, porque os números são assustadores. A cada quatro minutos, uma mulher sofre violência. E o número de feminicídio aumentou muito”, comenta a vereadora.